terça-feira, novembro 18, 2008

Henriques propõe reunião entre Mocaiber, Rosinha, MPE e comissão de terceirizados

O coordenador da equipe de transição de Rosinha Garotinho, o vice-prefeito Roberto Henriques, disse hoje, por meio de sua assessoria, que vai convidar o prefeito Alexandre Mocaiber para uma reunião com a prefeita eleita Rosinha Garotinho, junto à comissão de 22 servidores que representam os terceirizados que estão sob risco de desemprego devido a ordem judicial de demissão a partir de 5 de dezembro.

O compromisso foi firmado por Henriques na manhã de hoje, em encontro com dez representantes de motoristas de ambulância terceirizados. A categoria se concentrou às 5h na esquina da Avenida Alberto Torres com a Rua Baronesa da Lagoa Dourada, próximo ao gabinete de transição de governo.

A previsão é a de que o encontro aconteça na próxima terça-feira, na sala de reunião da Vila Maria. A proposta é a de que sejam discutidos caminhos a serem tomados para que as dispensas sejam revistas.

Um representante do MPE (Ministério Público Estadual) também será convidado. A expectativa é a de que um novo TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) seja firmado.

4 comentários:

Ricardo de Freitas disse...

A situação de Campos dos Goytacazes é realmente incrivel, antes das eleições terceirizados representavam votos certos para Dr. Arnaldo e portanto um absurdo.
Terminadas as eleições a Prefeita Eleita já admite a manutenção dos mesmos.
Um absurdo.
Desde 1988 está definido para ser servidor público tem que ser concursado.
Pergunto ainda como vai ficar a situação de milhares de pessoas que farão concurso domingo em Campos para o PSF.
Espero que a atuação do Ministério Público tenha sido em defesa da legalidade e não atuação política.

Anônimo disse...

RH o horrível, o mesmo que assinou TAC para demitir agora quer outro para não demitir? Quen poder dele com a justiça heim???

Anônimo disse...

É nítida a mudança de postura do vice-prefeito, Roberto Henriques. Antes só existia a ilegalidade, agora o governo eleito acena com a tese de que vai tentar manter os terceirizados que trabalham, cerca de 8 mil. E os outros 7 mil são fantasmas?
O próprio Roberto Henriques disse hoje, de manhã, em um programa de rádio, que quando assumiu a prefeitura interinamente, já sabia que a prefeitura não tinha recursos próprios para fazer concurso e pagar a todos.
A pergunta que não quer calar: Se Rosinha já tivesse vencido a eleição, naquela época, Roberto Henriques teria assinado o TAC que previa a demissão dos 15 mil terceirizados? Ou ele teria tentado acordo com a Justiça para rever as demissões, como quwer fazer agora. Antes podia demitir todo mundo, agora não?
Outra coisa que não consigo entender: se o atual governo municipal tentou todas as manobras jurídicas para não demitir os terceirizados e não encontrou alternativas, como é que o Roberto Henriques aparece com uma sugestão tão simples de um outro TAC, que passaria por cima de todas as decisões judiciais tomadas até agora?

Flavia disse...

Minha esperança na Justiça ainda é grande, pois o recirso da Prefeitura foi negado no Rio, falta agora o STF...é incrível como ainda tem pessoas que defendem esse tipo de vínculo, onde até fichado na polícia entra como motorista de ambulância, sem critério, nem avaliação da real capacidade técnica para estes ocuparem o cargo que tem hj...esses não querem sair, e os que já saíram...não foram só os trabalhadores que foram demitidos, como disse Roberto Henriques e Garotinho? Pois é, agora vão mant~e-los no cargo, e a galera que foi demitida, não volta?? Tem que haver concurso, se for pra "TACquear"de novo, que se faça um processo seletivo, com a FESP, como a secretaria de saúde do Rio está fazendo, e que seja provisório por 3 meses...os candidatos terim que ter pensado nisto antes de se meterem na candidatura, já pensando em uma solução legal...tudo continua como antes...é fod...

users online