sexta-feira, setembro 12, 2008

Segurança da urna eletrônica volta a ser questionada

O desenvolvedor de software Rodrigo Manhães já tinha dito isso aqui. Agora, um sujeito da empresa que criou o programa da urna eletrônica diz algo semelhante. Ambos questionando a segurança do equipamento. O que parece ficar cada vez mais claro é que, tecnicamente, não dá para afirmar que a urna seja 100% segura. O que sustenta a credibilidade no sistema é o de sempre: a política. Dito de outro modo: já imaginou como seria complicado operar uma indústria de fraudes eleitorais? Todos os políticos seriam conhecedores do esquema, e os prejudicados da vez denunciariam os beneficiados. É o tipo de equilíbrio que se impõe, por exemplo, em uma prisão em relação às visitas íntimas. Tecnicamente algum detento poderia estragar a festa do outro, mas a sua vez também chega. É melhor, então, fazer um pacto de não-agressão.

4 comentários:

César Ferreira disse...

Menezes, o BRIZOLA já alerta sobre o problema há anos.

Saudações Brizolistas!

Rafael disse...

Vale lembrar da urna eletrônica encontrada dentro de sua respectiva caixa, abandonada no acostamento da Marginal Pinheiros, em São Paulo. O assunto foi pouco explorado pela grande mídia. De acordo com o STE foi um acidente, as urnas estavam sendo transferidas de local... será? Acho que vale a desconfiança...

abraços apartidários...

César Ferreira disse...

Eu ressuscitei o velho BRIZA. Estou mais lunático que nunca !!!

sagaz disse...

esse cara tá choramingando por que a empresa dele perdeu a concorrência quando o governo obrigou que o sistema todo fosse em código livre... ele queria que o código fechado da empresa dele continuasse nas urnas.

não existe nenhum sistema de informática 100% seguro, nem o jeito antigo, de papel, mas a grande semelhança de ambos é que a segurança depende do usuário (ou tecnico) que trabalhar com essas urnas.

users online