sexta-feira, junho 06, 2008

Site Bom: acesso ao descrédito

Com alguns anos de estrada já vi poucas e boas no ramo das comunicações. Muitas decepções, surpresas desagradáveis... Porém nada superou o que aconteceu com o SiteBom, um portal de notícias gerais que apresentava o diferencial de tratar cada município separadamente. Mesmo a sede instalada em Campos, rotulada como cidade onde "tudo dá errado antes até de começar", a tradicão da família Ventura, empreendedora do négocio através dos senhores Nivaldo Gomes Ventura Júnior e Celso Renato Bernardes Ventura (de terno, na foto, ao lado do programador Fred), me fez acreditar, ainda que por pouco tempo, se tratar de coisa séria. Duas pessoas com raízes fortes por estas bandas. E com um sobrenome de peso. Até então, pelo menos de meu conhecimento, sem arranhões. Muito pelo contrário. Ouvi rasgados elogios de gente importante quando revelei quem estava por trás da iniciativa. Questões internas foram e, provavelmente, continuarão sendo debatidas por algum tempo a portas fechadas. Como tem de ser. O desabono na conduta da direção da empresa, que se tornou público graças aos comentários de boca miúda, é uma quase inacreditável falta de compromisso com a palavra empenhada. Descrédito surge como melhor e mais brando termo para traduzir a situação instalada com funcionários, possíveis anunciantes, fornecedores e até vizinhos. O porquê, não sei informar. Pode ser que a psicologia explique. Ou a psiquiatria. Ou, talvez, seja um caso de mera irresponsabilidade, sem acréscimos patológicos. Meu maior estarrecimento se refere exatamente ao ferimento de um conceito familiar zelado durante décadas pela matriarca, a senhora Zildéa Ventura. Que, ressalva seja feita, não tem nenhuma ligação com os desagradáveis (para ser bem educado) fatos ocorridos. Dona Zildéa e sua filha, Liliane Ventura, também jornalista, não precisavam passar por esses dissabores. E nós, que trabalhamos no projeto, não merecíamos. Que sirva de lição. A todos.

11 comentários:

Mozart Frederico da Silva Pereira disse...

Pois é meu caro Alvaro, eu não so faço minhas as suas palavras como acrescento alguns fatos , foi me dito que se eu fosse trabalhar la eu teria que ter inha maquina e com a garantia de um salário ao qual eu poderia paga-la , legal entao la fui eu ao mercado livre e comprei um Canon Rebel EOS 400 D que me custaram uma importancia a qual eu nao tinha no momento mas usei o cheque e comprei parcelado, ate ae tudo bem tb ne fiz uma divida , bom ao esperar meu salariozinho , fui gastando no meu cartao de credito um certa quantia , o que agora ja me vai fazer 3 meses que estou sem paga-lo pq nao tenho salario , nao recebi um centava .
E se isso noa bastasse meus amigos hojé dia 06 de Junho de 2008, tive que ir a padaria comprar meu café da manhã , ate entao tudo normal nao e ?
NEGATIVO
TIVE QUE PEDIR FIADO AO DONO , GRAÇAS A DEUS ELE E MEU AMIGO A TEMPOS E VOU TER QUE LIGAR PRA MINHA FAMILIA NO RIO ( CAPITAL ) PRA DEPOSITAREM DINHEIRO PRA MIM PRA EU PODER PAGAR MEU CAFE DA MANHA .
Bom isso e so um breve relato do que esta acontecento com todos que trabalhavam la no SiteBom , quer dizer ao menos os funcionarios ne !!!

Bom dia A todos

Vitor Menezes disse...

Rapaz, tinha notícias de que a coisa era feia, mas não tanto...

Álvaro Marcos Teles disse...

Muito, Vitor. Meu caro, quero falar com você pessoalmente para colocar o caso em detalhes e ver o que o sindicato dos jornalistas pode fazer em nosso favor. Um abraço.

Mozart Frederico da Silva Pereira disse...

Pois e Vitor e essa e so a ponta do Iceberg!!

Anônimo disse...

Esse projeto era horroroso, a começar pela falta de criatividade do nome. “site bom”??????? Troço morto!!!! Ridículo! Parecia que era da rede de supermercados “super bom”! ehehehehehehe

Hugo Prates disse...

O anônimo já tinha feito esse comentário, por sinal de muito mal gosto e desrrespeitoso com os profissionais que trabalharam lá e q foram vitimas de um golpe.
Sobre o texto de Álvaro, achei com muito respeito a Nivaldo e a Renato (donos, sócios, diretores, sei lá oq eles são), são calhordas, safados, pilantras, 171, golpistas, etc...
Quero saber qual vai ser a postura da AIC diante do caso, até agora não falou nada...

Jim Morrison disse...

É, o jornalismo campista é interessantíssimo. É dono de jornal processando estagiário (!!), é dono de site ruim, digo "bom", devendo os funcionários. E a AIC, o que fez até esse momento. Não adianta ficar discutindo e criticando o jornalismo de Campos e não tomar atitudes. E eu por enquanto vou devendo à faculdade...

Sem mais...

Rafael Bretas

César Ferreira disse...

Tingalagatingatingatá!

Vitor Menezes disse...

Embora este seja um caso mais para o sindicato cuidar, acho que a AIC pode ajudar. Sugiro que voc�s apare�am na reuni�o da AIC ou fa�am um documento relatando tudo e enviem para a entidade. S� lembro que a AIC n�o � de marte e n�o tem poderes especiais, ela � feita por n�s mesmos, e ela pouco poder� fazer se n�o houver disposi�o dos envolvidos em comprar brigas.

Freud Flintstone disse...

Vítor, vc esqueceu de acrescentar que a embora a AIC seja formada por jornalistas normais, ela não tem feito muita coisa né?! Posso estar errada. Me corrija se eu estiver.

Freud Flintstone

http://universoparaleloj.blogspot.com/

Vitor Menezes disse...

Já foi muito pior, pode acreditar (rs). O que não significa, claro, que não tenha muito o que melhorar. Contamos com você para nos ajudar.

users online