quarta-feira, março 23, 2011

Um curta sobre um velho dilema ético dos repórteres fotográficos

8 comentários:

César Ferreira disse...

Menezes, quem vive no front de uma guerra já está sem “alma”. Pouco importa quem vive ou morre. E menos ainda ser premiado ou não. A pessoa se transforma numa espécie indecifrável. Não é gente, não é bicho... Não tem cheiro nem sexo. Perde o paladar. Só têm olfato para a desgraça, ouvidos para o obturador da câmera, e olhos que não piscam nem para lubrificar as retinas. Transforma-se em peça complementar da câmera.
Por isso, muitos enlouquecem, abandonam a profissão, se matam e etc. Estes profissionais deveriam ser tratados, pós - guerras, com psiquiatras, psicólogos, e, sequer deveriam ver o resultado do trabalho para que nunca tenham consciência do que tiveram coragem de produzir imageticamente quando tomados por um ceticismo anestésico.
Dilema deveria ser para as pessoas que vivem da guerra e das imagens que ela produz. Que criam premiação para estes eventos... Etc.

Maria disse...

Campos sedia 4º Encontro Internacional de Astronomia

Entre os dias 21 e 23 de abril será realizado no município o 4º Encontro Internacional de Astronomia e Astronáutica. O evento tem como parceiros a Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima (FCJOL), o Instituto Federal Fluminense (IFF) e o Clube de Astronomia Louis Cruls. A homenagem do encontro é pelos 50 anos do primeiro homem a viajar pelo espaço: o cosmonauta russo, Iuri Gagarin. Quatro astronautas e 12 cientistas internacionais confirmaram presença, entre eles, os astronautas russos Pavel Vinogradov e Oleg Kotov e o astronauta brasileiro, Marcos Pontes.

Palestras, vídeos-conferências, seminários e oficinas serão ministrados durante o encontro. As inscrições são gratuitas e estão abertas através do site www.meeting.passeiopeloceu.org. Cerca de 300 pessoas já se inscreveram. A secretária da Família e Assistência Social, Izaura Freire, garantiu a participação de centenas de jovens do ProJovem e do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti).

22/03/2011 - Folha da Manhã

Astron disse...

No mês que vem (abril) acontece em Campos o 4° Encontro Internacional de Astronomia e Astronáutica. Entre os dias 21 e 23 de abril integram a programação do encontro vídeos-conferências, seminários e oficinas.
Cosmonautas já confirmaram presença no evento. Também participará de mais uma edição do evento o astronauta brasileiro Marcos Pontes. As inscrições podem ser feitas neste endereço: www.meeting.passeiopeloceu.org

Splanchnizomai abraçando o amanhã. disse...

Vitooor! Nunca parei para pensar nisso!

Valeu.

Anônimo disse...

Falou bonito, Cesinha!!!
Muito chocante o curta.

Wellington disse...

Esse curta me fez lembrar da história real acontecida com o fotógrafo sul africano Kevin Carter que ao cobrir uma guerra no Sudão no ano de 1993, acabou registrando uma cena que se tormou célebre, de um menino raquítico sendo observado por um abutre. O fotógrafo ganhou todos os prêmios possíveis na época, inclusive o Pulitzer. Dois meses depois da premiação, não suportando a situação de pressão da opinião pública e dos próprios colegas da imprensa, ele estacionou seu carro num lugar a esmo e liga com uma mangueira o escapamento do carro ao interior do veículo, acabou morrendo por inalação de monóxido de carbono. A cena fotografada por ele foi reproduzida no filme Amor sem fronteiras, onde a atriz Angelina Jolie numa missão humanitária na África, vê essa mesma cena, porém socorre a criança. Uma discussão que extrapola um simples comentário.

Angeline disse...

Depois dos dois comentários acima, nem tenho o que dizer. Valeu sua postagem, Vítor!

Anônimo disse...

Ai, que emoção. Ai, que emotivo. Esse "documentário", Vítor César, é mentirosinho, né não? Assim como as lendas urbanas que assaltam vez por outra a moda.

Mentirosinho em vários sentidos: apela ao sentimentalismo barato,; é piegas; pretende criar uma falsa ideia de que, se fosse verdade, a mulher poderia ter feito algo para salvar a menina; faz pensar que a mulher, agora, vai sofrer o resto da vida o que presenciou. Todos, TODOS nós sofremos. Uns mais, outros menos.

Essa historinha do fotógrafo do urubu que se suicidou é historinha bonitinha, nem mais nem menos. Balela. Baleba.

users online