terça-feira, novembro 30, 2010

Artigos e crônicas lembram um ano do assassinato do Monitor Campista

Vários coleguinhas atenderam ao chamado da Patrícia Bueno e publicaram artigos para marcar a passagem, em novembro, de um ano do assassinato do Monitor Campista. Confira:

Nunca vou esquecer! - Luísa Ritter


Monitor: uma grande escola - Jô Siqueira

Lembranças de um "menino" - Elton Nunes

No "arraiá" das lembranças - Flávia Ribeiro

Aberto - João Ventura

Saudade, revolta e boas lembranças - Jane Nunes

Ê saudade... - Danielle Brandão

Cada um no seu lugar - Silvana Rust

Ninguém matou o Monitor - Raul Marques

Morte sem autópsia - Walnize Carvalho

A difícil e última edição... - Patrícia Bueno

Guerreiro de papel -  Fátima Nascimento

Queria que não fosse um texto triste - Carla Cardoso

Ainda dói... -  Alicinéia Gama

Um ano de saudades - Mariane Pessanha

Tudo mudou de cor - Nagyla Correa

Túnel do tempo - Hélvio Cordeiro

Ainda não passou... - Cilênio Tavares

Tempo bom! - Valquíria Azevedo

O que a morte do Monitor diz sobre nós - Vitor Menezes

Programação do Sesc Campos em dezembro

Clique na imagem para ver a programação de dezembro do Sesc Campos.

Campos procura por 34 peças sacras tombadas

Do jornal O Globo:


RIO e OURO PRETO (MG) - Enquanto a morosidade da liberação de verbas do PAC das Cidades Históricas emperra projetos, problemas antigos se arrastam nos municípios: vão desde a falta de conservação de fachadas a furtos em igrejas e museus. O Rio de Janeiro lidera o número de desaparecimentos de peças tombadas. Levantamento sobre o acervo de arte sacra do estado promovido pelo Instituto Estadual de Patrimônio Cultural (Inepac) nas cidades das regiões Norte, Noroeste e Baixadas Litorâneas apontou Campos dos Goytacazes como a cidade com o maior número de bens procurados: 34. O número de furtos também é grande em Cabo Frio.


O levantamento deu origem ao Inventário da Arte Sacra Fluminense, disponibilizado desde setembro na Internet e que já rendeu a recuperação de peças. Durante a catalogação, foram descobertas peças guardadas em sacristias e esquecidas em armários. Os responsáveis não tinham conhecimento do valor histórico dos bens.

Integra aqui.

Rede Blog atenta para acordão na Câmara

Do Blog do Cléber Tinoco:

"É duro ouvir que um acordo foi firmado para aprovar as contas de Mocaiber e Henriques, mas a população certamente se lembrará nas próximas eleições se os ex-prefeitos de fato tiverem suas contas aprovadas. A rede blog está atenta e contribuirá para que este fato não seja esquecido".

Veja o parecer do TCE no post original.

Bisogno lança "Vertigem" nesta quarta, no Sesi

O cineasta Carlos Alberto Bisogno lança nesta quarta, 1°, às 20h, no Teatro do Sesi-Campos, o curta “Vertigem”, segundo filme da trilogia iniciada com “Efígie” (2009) [veja abaixo].

Encenado por Elias Mendonça e Luiza Rangel, “Vertigem” conta a história de "duas mentes apaixonadas e atormentadas pela responsabilidade de suas opções".

O Sesi Campos fica na Av. Deputado Bartolomeu Lysandro, 862 Jardim Carioca. O telefone é o (22) 2101-9000. Mais informações no blog do cineasta: http://cinemabisogno.blogspot.com/


Efígie (2009) - Ficção - 19' - Dir. Carlos Alberto Bisogno
Enviado por CarlosAlbertoBisogno. - Temporadas completas e episódios inteiros online.

Encenação teatral no Cantinho do Poeta

Recado do bravo Artur Gomes:

"Cantinho do Poeta Quartas Culturais


Pontal

Dia 1 dezembro 21 horas
Encenação teatral com poemas de Aluysio Abreu Barbosa, Adriana Medeiros, Antônio Roberto(Kapi) e Artur Gomes. Com Artur Gomes, Yvi Carvalho e Sidney Navarro. Direção: Kapi

Local: Cantinho do Poeta (Rua Cardoso de Melo, 42 – Campos dos Goytacazes-RJ)

SESC comemora Dia do Samba com homenagem a Eli Miranda

Recado do bravo Wellington Cordeiro:

"Nesta quinta-feira, dia 2 de dezembro às 19h o SESC Campos, comemora o Dia Nacional do Samba com um tributo em homenagem ao saudoso sambista campista Eli Miranda. O show contará com a exibição de um documentário sobre o sambista e apresentação musical com Jardel do Cavaco e sua banda, além de diversos músicos convidados, como o filho do sambista, Rogério Miranda e do sambista da velha guarda campista Geraldo Gamboa. A entrada é gratuita."

segunda-feira, novembro 29, 2010

Estamos de volta: assista a Mercearia Campista desta semana

BLOCO 1




BLOCO 2



BLOCO 3



BLOCO 4

Morador da Vila Cruzeiro acusa polícia de levar R$ 31 mil da sua casa



Ronai Braga, morador da Vila Cruzeiro, acusa a polícia do Rio de ter arrombado sua casa e levado R$ 31 mil - Imagens: Iano Andrade - Originalmente aqui no Correio Braziliense.

domingo, novembro 28, 2010

Luiz Eduardo Soares: JN trata telespectador como idiota

"O Jornal Nacional, nesta quinta, 25 de novembro, definiu o caos no Rio de Janeiro, salpicado de cenas de guerra e morte, pânico e desespero, como um dia histórico de vitória: o dia em que as polícias ocuparam a Vila Cruzeiro. Ou eu sofri um súbito apagão mental e me tornei um idiota contumaz e incorrigível ou os editores do JN sentiram-se autorizados a tratar milhões de telespectadores como contumazes e incorrigíveis idiotas.
Ou se começa a falar sério e levar a sério a tragédia da insegurança pública no Brasil, ou será pelo menos mais digno furtar-se a fazer coro à farsa."



De Luiz Eduardo Soares, ex-secretário nacional de Segurança Pública, íntegra aqui.

sábado, novembro 27, 2010

Jornalista analisa participação das redes sociais no "Caos no Rio"

A jornalista e diretora da FSB Comunicações, Risoletta Miranda faz uma análise da contribuição das redes sociais na cobertura da invasão da Vila Cruzeiro, no Rio.

Do Blog do Noblat:

O publicitário Carlito Maia disse um dia que nós não precisamos de muito, apenas um dos outros. E nas redes sociais esse lema é o próprio conceito e uma das razões de sua existência. Trocando dados e informações criamos causas que nos tornam melhores como pessoas e como sociedade. E foi isso que aconteceu nestes dias recentes de guerra entre os traficantes e a polícia no Rio de Janeiro.

Leia a íntegra do texto aqui.

PS: Dei um Crtl C + Crtl V para dar a dica da leitura e abriu um box na tela informando que não é autorizado o uso do seguinte texto para fins comerciais e/ou profissionais. Também dão a "dica" para que se entre em contato por e-mail para a compra do material. É engraçado quando um blog, que seria uma ferramenta mais democrática de uso das informações, faz esse tipo de coisa. Enfim... copiei e colei mesmo assim!

Perfil do BOPE no Twitter, que criticou emissoras era falso



O portal Comunique-se divulgou que o perfil do Twitter que havia feito críticas às emissoras Globo e Record era falso. O portal disse ainda que, a Assessoria da PM-RJ, havia acreditado na veracidade do perfil @BOPE_RJ, cuja legitimidade ainda havia sido confirmada pela Secretaria de Segurança Pública do Estado na última quinta-feira.

Porém, nesta sexta-feira (26/11), o cabo PM Toledo, que acompanha o coronel Lima Castro, Relações Públicas do Bope, disse que o perfil é falso. O perfil já havia conseguido, até a tarde desta sexta-feira, cerca de 16 mil seguidores e no início da tarde deste sábado, o número de seguidores já era de pouco mais de 18 mil. Até o período, o perfil havia postado apenas 15 mensagens.

Vale lembrar que a conta não possui o selo de perfis verdadeiros concedido pela administração do Twitter e que é muito comum em celebridades. Leia o caso completo aqui.

sexta-feira, novembro 26, 2010

Jornalista pede que problema das alergias alimentares seja pautado pela imprensa

A colega jornalista Flávia Ribeiro chama a atenção para os problemas enfrentados pelos pais de crianças vítimas de alergia alimentar. Veja o seu relato:

Desespero de mães e pais


Caros colegas, sou jornalista, em Campos, interior do Estado do Rio, e preciso muito que vocês me ajudem a tornar de conhecimento público o problema cada vez mais frenquente que atinge crianças em todos os cantos do Brasil: a alergia alimentar, severa e múltipla. Crianças morrem pelo Brasil afora sem tratamento adequado, sem o leite especial e com muitas outras dificuldades de atendimento no sistema de saúde nacional. É um problema impressionante, mas ainda muito pouco conhecido pela população em geral. Crianças que podem morrer porque comeram um simples e inofensivo chuchu, um tomate, uma banana.

Nem os médicos sabem como agir com crianças assim. São poucos os especialistas que conseguem entender os sintomas da alergia alimentar, que pode até matar as crianças. A maioria dos pediatras não consegue pensar que os sintomas são alergia e aí as crianças e os pais, em geral, enfrentam um calvário até que tenham um diagnóstico e o tratamento adequado.

As alergias crescem a cada dia. Eu tenho dois filhos alérgicos múltiplos que assim como milhares de crianças tomam Neocate, um hidrolizado especial de aminoácidos livres, que custa caríssimo, R$ 600,00 a lata, isso no Brasil, porque nos EUA a mesma lata é vendida em qualquer farmácia por U$ 25,00. As prefeituras do país inteiro e os governos estaduais têm programas para fornecer esse leite e outros especiais para as crianças que precisam, mas o problema é que em quase todas as cidades brasileiras os pais não estão conseguindo o leite, ou quando conseguem não é liberada a quantidade adequada.

Por sorte, a empresa que distribuiu o Neocate está fazendo uma promoção e quem pode está conseguindo comprar duas latas por 350 reais. Mesmo assim é muito dinheiro. Tem relato de mãe que deu dipirona pro filho com fome dormir. Porque existem crianças que só podem tomar Neocate, que correm risco real de morte se ingerirem outros alimentos. É desesperador. Tem gente que mesmo com processo ganho na Justiça continua sem receber o bendito leite, que salva a vida da criança e quase mata os pais.

Gostaría muito que vocês nos ajudassem a divulgar que este problema existe e que na maior parte do país o governo não está fornecendo o leite como deveria. Faço parte de um grupo de discussão de mães e pais que pode dar entrevistas pelo país afora. Também temos contatos de especialistas que são considerados os melhores do país, que podemos dar caso vocês queiram fazer entrevistas. Nos ajudem a tornar o problema mais conhecido e com isso aumentar o acesso aos tratamentos e ao leite, além de sensibilizar juizes, promotores e defensores públicos para a urgência desses processos que se acumulam nos juizados brasileiros.

Em nome de mães e pais desses pequenos agradeço a ajuda de vocês que enviarem a todos os jornalistas conhecidos.

Muito obrigada, Flávia Ribeiro Nunes Pizelli, mãe de Joaquim e Pedro Nunes Pizelli, alérgicos alimentares, múltiplos e severos. Pedro tem três anos e cinco meses e Joaquim um ano e cinco meses.

Cine Jornalismo AIC neste sábado com “A Caçada”

A Associação de Imprensa Campista (AIC) promove neste sábado, 27 de novembro, às 16h, a última edição do ano do projeto Cine Jornalismo AIC, com a exibição do filme “A Caçada” (Bósnia-Herzegovina/Croácia/EUA, 2007) e comentários do jornalista e mestrando em Tecnologia e Cultura pela UERJ, João Ventura.

No filme, Richard Gere interpreta um jornalista que realizou grandes coberturas de conflitos internacionais e está diante de uma nova missão: localizar um criminoso da guerra da Bósnia, que tem recompensa anunciada de US$ 5 milhões.

O Cine Jornalismo AIC acontece todo último sábado do mês, de março a novembro, sempre às 16h, e está em seu segundo ano. A proposta é a de que, por meio da exibição de um filme e dos comentários de um jornalista convidado, os interessados em jornalismo possam discutir aspectos ligados à profissão. A entrada é gratuita.

Coletivo Audiovisual

Neste sábado, a entidade estará aberta desde as 15h para receber os interessados em integrar o Coletivo de Produção Audiovisual, iniciativa que tem como objetivo organizar e qualificar produtores de cinema independente no município.

quinta-feira, novembro 25, 2010

Bope reclama de helicópteros da Globo e da Record

O Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) reclamou há pouco, no twitter oficial da corporação, da interferência de helicópteros das emissoras de TV Globo e Record na cobertura da onda de violência no Rio.

"Um desserviço prestado pelas aeronaves da Record e Globo", registrou o Batalhão, como mostrado aqui pelo site de O Dia.

quarta-feira, novembro 24, 2010

G1: Censurar a internet é 'estupidez', diz Lula em entrevista a blogueiros

Débora Santos / Do Portal G1, em Brasília

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quarta-feira (24), em entrevista a blogueiros, que considera “estupidez” qualquer projeto de lei que busque censurar a internet. Ele ressaltou a preocupação do governo com a liberdade de imprensa.

“Eu acho importante que as pessoas que estão acompanhando percebam claramente que nesse período do governo toda vez que falamos com alguém demos total liberdade para as pessoas perguntarem o que quiserem”, disse o presidente.

Esta é a primeira vez em quase oito anos de mandato o presidente Lula concede entrevista exclusiva a blogueiros. Participam do encontro, no Palácio do Planalto, os blogueiros Altamiro Borges, Altino Machado, Rodrigo Viana, Renato Rovai, Eduardo Guimarães, W. Barros, Pierre Lucena, Túlio Viana, José Augusto, Leandro Fortes.

[Íntegra aqui]

terça-feira, novembro 23, 2010

Secretaria da Desinformação e Propaganda

E a sociedade continua sem saber o que de fato está acontecendo com as obras do Canal Campos-Macaé. O advogado Cléber Tinoco volta ao assunto aqui.

segunda-feira, novembro 22, 2010

Polícia retira famílias de terras de Barbosa Lemos em Macaé







Confira relato de Marcel Silvano, assessor da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Macaé:

Reintegração de posse em latifúndio de Macaé-RJ deixa centenas de famílias na chuva

Marcel Silvano [texto e fotos]


Na última quinta feira (18.11) o acampamento do MST na Fazenda Bom Jardim no distrito de Córrego do Ouro, município de Macaé-RJ passou por um dia tenso e de desrespeito aos direitos humanos por parte do poder público. As polícias Federal e Militar, a Justiça e a Prefeitura de Macaé demonstraram a pior face da criminalização da pobreza e dos movimentos sociais por parte do poder público. As famílias não emitiram nenhum tipo de resistência e foram obrigadas a passar uma noite chuvosa desabrigadas.

Cerca de 180 famílias (250 pessoas) que estavam acampadas na área que tem cerca de 1650 hectares entre mulheres, grávidas, senhoras, homens, jovens, idosos e crianças cumpriram ordem de despejo emitida pela Juíza Federal de Macaé Angelina de Siqueira Costa. A orientação da Juíza a Polícia Federal era que as famílias fossem retiradas imediatamente e seus pertences descartados. O impasse só foi resolvido quando uma Igreja Católica de Macaé se propôs a receber as famílias por alguns dias. Já a prefeitura da cidade não permitiu, sequer, que mulheres e crianças dormissem no Parque de Exposições da localidade aquela noite.

Representantes da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Macaé foram destratados pelo Delegado da Polícia Federal que chefiava a operação. Após se apresentarem, assessores Marcel Silvano e Magnum Tavares ouviram do Policial alguns desrespeitos que configuram um exagerado abuso de poder. Uma das falas foi da seguinte forma a seguinte: “Ah, vocês estão aqui, então vamos ajudar, vamos trabalhar. Bota as coisas em cima do carro e vamos deixar todo mundo lá na Câmara, vocês querem?”. Um deles, inclusive quase foi retirado à força da área pelos polícias pelo fato de estar fotografando e filmando, sob acusação de que usaria as imagens contra os agentes da PF. A forma ríspida de tratamento e o humor alterado se repetiu com assessores do Incra e da Comissão de Direitos Humanos da Alerj – Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro.

Já com as famílias o tratamento foi ainda mais grave. Os mais de 250 agentes da PF e PM davam de 10 a 30 minutos para as famílias retirarem todos os seus pertences e desmontarem suas moradias, sob ameaça de uma retroescavadeira destruir as moradias ou de incendiarem os pertences. Os moradores, inclusive as crianças, foram colocadas na carroceria das caminhonetes e transportadas até a saída da fazenda, sem saber para onde seriam encaminhados. Alguns moradores foram atacados por gás de pimenta.

A área já foi avaliada pelo Incra e, há mais de 2 anos é considerada improdutiva e, de acordo com a Constituição Federal, deve ser encaminhada para fins de Reforma Agrária. No dia 2 de setembro, o Presidente Lula assinou o decreto de interesse na desapropriação, respaldando a decisão do INCRA e a posição do MST em cobrar a reforma agrária daquelas terras. “Existe a avaliação do Incra, existe o decreto do Presidente da República e agora vem a juíza descumprir, e tomar uma decisão a favor do fazendeiro. Mas não vamos resistir, não queremos conflito”, declarou um coordenador do acampamento.

Terras da Campos Difusora

O latifúndio improdutivo é de propriedade da Campos Difusora LTDA empresa de Rádio e TV do Norte Fluminense que tem como um dos sócios o arrendatário da fazenda José Antônio Barbosa Lemos. Ex-prefeito em município do Norte Fluminense, ex-parlamentar estadual e político influente.

No início da noite, a chuva chegou de vez. Mais um impasse foi criado. Os pertences das famílias foram encaminhados para o Parque de Exposições de Córrego do Ouro. O espaço, de responsabilidade da Prefeitura de Macaé foi inaugurado em 2010 e somente utilizado por uma semana no mês de setembro. Após a chegada da Guarda Municipal, apenas as pessoas que estavam no interior do parque junto aos pertences puderam permanecer enquanto as negociações desenrolavam.

O Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal, vereador Danilo Funke (PT) tentava uma autorização do Prefeito ou de algum responsável pelo parque para que as famílias pernoitassem junto a suas coisas. “Esgotamos todas as tentativas. A prefeitura pode até ser contra o movimento, mas é obrigação zelar pela vida e o bem estar das pessoas. A proposta era apenas uma noite e foi negada com veemência”, declarou o único vereador de oposição da cidade.

No avançar da hora (23h), e sem conquistas por parte das famílias, a Polícia Federal deu 30 minutos para que todas as famílias saíssem do parque e levassem tudo. O clima ficava cada vez mais tenso e as famílias desesperadas, não haviam comido nada durante o dia e o cansaço era evidente. O choro das crianças e a angústia dos mais velhos eram assustadores. Após articulação do vereador e sua assessoria, da comissão de Direitos Humanos da Alerj e da coordenação do MST, o Padre Mauro, que também acompanhou toda a ocupação ofereceu um espaço na localidade de Virgem Santa. O local, apesar de pequeno, foi a única saída para que o desfecho não fosse pior para as pessoas.

Na noite de sexta feira (19.11) as famílias se encaminharam para outra localidade e desocuparam o pátio e as dependências da Igreja, após uma faxina final. “Fizemos a nossa parte de acolher aquelas famílias que foram negadas por todas as estruturas de governo. Crianças, idosos e gestantes não poderiam dormir na rua de forma alguma. Não temos o melhor espaço, mas somos solidários ao desespero e a luta das famílias por terra e justiça social” declarou Padre Mauro.

Lanche para os policiais

A única mídia presente foi o Jornal O Diário de Macaé. A Rádio e a TV Difusora contavam com a presença de uma caminhonete Toyota Hillux que servia lanche com Coca Cola aos Policiais Federais, Militares e ao Conselho Tutelar de Macaé.

Murdoch e Jobs lançam primeiro jornal exclusivo para o iPad

Os manda-chuvas Steve Jobs e Rupert Murdoch estão se preparando para viabilizar o primeiro jornal completamente concebido para o iPad. Trata-se do Daily, que estará disponível ao final deste mês. A colaboração dos dois foi mantida em segredo por meses e foi recém anunciada na mídia norte-americana.

De acordo com os relatos, o Daily combinará "uma sensibilidade tablóide com a inteligência de uma página da internet", a publicação representa a determinação de Murdoch para pressionar as empresas de jornal para além da esfera da cópia. A grande novidade será a falta de uma edição impressa ou edição para a web, mas sim um formato diretamente para o iPad e outros aplicativos similares.

O preço do jornal será de US$ 0,99 por semana e a idéia foi colocada em prática após uma pesquisa que sugere que os leitores passam mais tempo imersos em seus iPads do que eles fizeram, comparativamente falando, com a Internet, onde a "navegação sem rumo"
é típica.

Ainda sobre o iPad, alguns jornais brasileiros já estão lançando seus aplicativos para o tablet, como a Folha de São Paulo.


Editor do The Guardian afirma que Twitter é "uma grande ferramenta de reportagem"

O editor do jornal londrino The Guardian, Alan Rusbridger, declarou no site do jornal que o Twitter é uma "espetacular forma de distribuição" e uma "grande ferramenta de reportagem". As afirmações entraram numa lista de 15 itens elaborada por Rusbridger e que mostra a importância do Twitter para as empresas de mídia.

Outras importantes características do microblog apontadas por ele foram que ele ajuda a criar comunidades em torno de um veículo; e, além disso, muda a noção de autoridade. A lista completa das características importantes do Twitter com os comentários pode ser lida, em inglês, aqui. Abaixo, as características resumidas.

ATRIBUTOS QUE TORNAM O TWITTER EFICIENTE PARA A MÍDIA

01. É uma espetacular forma de distribuição
02. É onde as coisas acontecem primeiro
03. Como ferramenta de pesquisa, rivaliza com o Google
04. É uma formidável ferramenta de agregação
05. É uma grande ferramenta de reportagem
06. É uma fantástica forma de marketing
07. É uma série de conversas naturais. Ou pode ser
08. É mais diversificado (qualquer um tem voz)
09. Muda o tom da escrita
10. É um ambiente nivelado pela relevância
11. Traz novos valores
12. Possui longo alcance em termos de atenção
13. Cria comunidades
14. Muda a noção de autoridade
15. É um agente de mudanças

domingo, novembro 21, 2010

Petição online contra o AI5 Digital

Tá rolando na Internet uma petição online contra o projeto de lei do Senador Eduardo Azeredo que visa restringir de várias maneiras o acesso à Internet no Brasil. O projeto fala em considerar como crime, "obter ou transferir dados informação disponível em rede de computadores, dispositivo de comunicação ou sistema informatizado, sem autorização ou em desconformidade à autorização, do legítimo titular, quando exigida".

O projeto, que está sendo conhecido na net como o AI5 Digital, visa também bloquear o uso de redes P2P, liquidar com o avanço das redes de conexão abertas (Wi-Fi) e quer exigir que todos os provedores de acesso à Internet se tornem delatores de seus usuários, colocando cada um como provável criminoso.

Neste link aqui você pode conhecer o texto do abaixo-assinado que será enviado ao Senado Brasileiro e ainda colocar seu nome no manifesto. Vale lembrar que o Senado Americano adotou uma medida parecida, que está prestes a virar lei. Relembre aqui.

sábado, novembro 20, 2010

Roberto Moraes ajuda a lembrar que a Folha da Manhã ainda existe

Nesta última semana, o professor e blogueiro Roberto Moraes tem feito, como aqui, enfrentamentos diretos ao jornal Folha da Manhã, em razão de matérias que, segundo ele, conteriam mentiras sobre o IFF. Suponho tratar-se de um caso curioso, onde a resposta à matéria de um jornal provavelmente tem mais leitores que o próprio jornal. Eu mesmo só soube da história agora, lendo o Roberto.

Vídeo inspirado em Ilha das Flores mostra concentração de mídia no Brasil

Feito há um ano, mas ainda desconhecido por muitos, o vídeo "Levante sua voz", produzido pelo Coletivo Intervozes, utiliza a linguagem do clássico "Ilha das Flores" para falar da concentração de mídia no Brasil. Confira:


Parte 1



Parte 2

Construtora ganha mais 120 dias para concluir obras do Canal Campos-Macaé

O Diário Oficial de Campos publicou no último dia 12 extrato de termo aditivo de contrato que prevê mais 120 dias para execução da obra do Canal Campos-Macaé. Veja:


A publicação aconteceu um dia após o site da Prefeitura de Campos ter publicado este release aqui onde afirma que as obras foram "intensificadas".

A construtora Imbeg foi contratada em 23 de fevereiro passado para realizar a obra no trecho entre a rua Formosa e a Av. Nilo Peçanha, no prazo de 240 dias (esgotado em outubro), ao custo de R$ 18,6 milhões, como mostra o extrato abaixo.



Depois, em uma confusão de informações até hoje não esclarecida, como mostrado aqui, a Prefeitura reduziu o trecho abrangido pelo valor de R$ 18,6 milhões. Voltou atrás em seguida, mas não admitiu qualquer erro. O secretário César Romero também nunca retificou as informações prestadas.

Espera-se a publicação da íntegra do contrato e dos seus aditivos, para que a sociedade fique devidamente informada sobre valores e prazos da obra.

Senado americano aprova lei contra Internet Livre


O Senado americano aprovou, na último dia 18, a COICA, Combating Online Infringements and Counterfeits Act (Ato de Combate à Infrações e Falsificações Online). A COICA é colocada por alguns grupos como "o fim da Internet como a conhecemos", pois atua radicalmente contra o caráter libertário da rede no que diz respeito à downloads de arquivos MP3 e divulgação de conteúdo considerado "pirata".

O projeto de lei foi passou no Senado pelo placar de 19 votos a 0. Após aprovado, ele irá criar "listas negras" de sites que violam os direitos de Copyright e de propriedade intelectual. O negócio é tão sério que dá ao Departamento de Justiça Americano o poder de, inclusive, desligar domínios que estajam hospedados fora dos Estados Unidos. O caráter arbitrário da lei fica evidente ainda em alguns pontos do projeto, que dá poder ao Procurador-Geral de censurar os sites mesmo que alguma Corte não tenha entendido que o site em questão não tenha infringido alguma lei ou copyright.

Ou, como publicado por David Seagal, do Huffington Post:

A COICA cria duas listas negras de nomes de domínios da Internet. Tribunais podem adicionar sites à primeira lista, e o procurador-geral teria controle sobre a segunda. Provedores de serviços de Internet e outros (como Comcast, PayPal ou o Google AdSense) seriam obrigados a bloquear quaisquer domínios da primeira lista. Eles também poderiam receber imunidade (e presumivelmente o bom favor do governo), se eles bloquearem domínios da segunda lista.

As listas são para os sites “dedicados à atividade ilícita”, mas que é definido de forma muito ampla – qualquer nome de domínio onde as mercadorias ilegais ou materiais com direitos autorais são “fundamentais para a atividade do site de Internet” poderá ser bloqueado.

Resumindo novamente: adeus downloads de MP3, de filmes, sites de mashup e até mesmo blogs que, caso o Procurador entenda, estejam violando leis ao exporem sua opinião e fazerem comentários sobre política, por exemplo. É casca-grossa ou não é? Pra se ter uma idéia, se essa lei fosse aprovada há uns cinco ou dez anos atrás, o You Tube não existiria.

Alguns sites como o Electronic Frontier Foundation e Anti Nova Ordem Mundial, publicaram manifesto contra a aprovação e explicaram o caso. Vale apenas lembrar que, aqui no Brasil, também temos a proposição de lei que obrigaria o fim no anonimato na Internet.

sexta-feira, novembro 19, 2010

Eike quer trazer fábrica da Apple para o Açu

Da Redação do Adnews, aqui.


Eike Batista cansou dos altos preços e de ter de esperar muito pelo lançamento dos produtos da Apple (como o iPad, por exemplo). Então ele decidiu que quer montar uma fábrica dos produtos da empresa aqui no Brasil, segundo O Estado de S.Paulo.

A informação foi confirmada pelo próprio empresário que, em entrevista ao jornal, questionou: "Por que a gente tem de pagar duas vezes e meia o preço de um iPad?" Batista já conversa com dois grupos que montam as invenções de Steve Jobs na Ásia para trazer uma unidade e instalá-la em São João da Barra, litoral do Rio de Janeiro. Mais especificamente, a empresa ficaria no complexo do Porto do Açu, da LLX - braço de logística do Grupo EBX, pertencente a ele. "Estou abordando as empresas que fazem essa montagem na Ásia. Não é a Apple, a Apple tem de aprovar depois. Você fala com as empresas que montam esses aparelhos para a Apple. Então, a conversa é com dois grupos. Estamos procedendo nessas conversas", disse.

O dono da EBX quer a montadora da Apple como espécie de cartão postal do Superporto do Açu, que por causa de R$ 4,3 bilhões se tornou o maior investimento de infraestrutura portuária da América Latina. Com estreia prevista para 2012, o empreendimento deve atrair cerca de R$ 36 bilhões em investimentos.

"O importante é que o Açu, na área que a gente chama de Vale do Silício do Açu, comporta trazer esse tipo de empresa. Até porque o porto também vai ter um aeroporto alfandegário. Esses componentes eletrônicos podem vir de avião, não necessariamente de navio", comentou. "O aeroporto alfandegário vai permitir fazer a parte de maior valor agregado, tecnológica, para o complexo do Açu. É o creme da cereja aí."

Abaixai vossos bloquinhos para a hora da tietagem

Sim, há momentos em que os jornalistas abaixam o bloquinho e manifestam os mais puros sentimentos de tietagem. Pedem autógrafos, dão sorrisos nervosos e posam para fotos junto àqueles que, por uns instantes, são bem mais que fontes. Na Bienal de Campos não foi diferente. Veja alguns flagrantes de jornalístico-tietagem feitos pelo astuto e encabelado César Ferreira:

Coleguinhas da Secom de Campos com Laura Muller

Aloisio Balbi com Mauro Santa Cecília

Avelino Ferreira com Gabriel, o Pensador

Rodrigo Florencio com André Trigueiro

Wesley Machado com Ruy Castro

Maurício Xexéu com Luiz Fernando Veríssimo

Luciana Fonseca com Luiz Fernando Veríssimo (numa surpreendente mudança de fisionomia)

[Fotos: César Ferreira / Sec. Cultura - PMCG]

TSE admite analisar recurso de Garotinho contra decisão que o declarou inelegível

Da Assessoria do TSE

Por decisão do ministro Marcelo Ribeiro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai analisar o recurso interposto por Anthony Garotinho contra a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio de Janeiro que o declarou inelegível para as eleições de 2010. O candidato a deputado federal pelo Rio foi condenado por abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação social no pleito de 2008, quando sua esposa foi eleita prefeita de Campos dos Goytacazes.

Depois que o TRE negou a subida do recurso para o TSE, a defesa de Garotinho ajuizou Agravo de Instrumento, pedindo que a própria Corte Superior analisasse a admissibilidade do recurso especial. Ao admitir o recurso, o ministro Marcelo Ribeiro sustentou que “tendo sido informados os fundamentos da decisão agravada, e estando os autos suficientemente instruídos para a apreciação da controvérsia, entendo que o presente agravo merece ser provido, para melhor exame do recurso especial”.

Mais votado

Garotinho concorreu este ano com o registro deferido com base em liminar concedida pelo ministro Marcelo Ribeiro, sendo o candidato a deputado federal mais votado no estado e um dos mais votados em todo país. Recebeu 694.862 votos.

Inelegibilidade

A decisão do TRE, tomada em maio de 2010, portanto antes da edição da chamada Lei da Ficha Limpa, tornou Garotinho inelegível por três anos a contar da data do pleito, com base na Lei das Inelegibilidades (Lei Complementar 64/90).

O TRE entendeu que Garotinho teria praticado abuso do poder econômico e o uso indevido dos meios de comunicação, em decorrência de entrevista que ele, como radialista, fez com sua esposa Rosinha Garotinho, em junho de 2008, quando ela anunciou sua intenção de disputar as eleições para a prefeitura de Campos dos Goytacazes (RJ).

TSE mantém eleições suplementares em Campos... de Júlio, no Mato Grosso

Da Assessoria do TSE

A ministra Cármen Lúcia, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), manteve eleição suplementar a ser realizada no município de Campos de Júlio, no Mato Grosso, no próximo dia 5 de dezembro. As eleições foram determinadas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT) tendo em vista que os prefeitos eleitos em 2008 tiveram os mandatos cassados.

A relatora negou seguimento a uma ação cautelar em que a coligação Certeza de Progresso (PMDB/PT), a ex-prefeita Claídes Lazaretti Masutti e seu vice, Francisco José Caldas Dutra, solicitavam a suspensão da eleição suplementar no município a fim de que fosse feita somente após a análise, pelo TSE, de recursos interpostos por eles com base no princípio constitucional da ampla defesa e do contraditório, do duplo grau de jurisdição e presunção de inocência. Em conseqüência, pediam que fosse determinada a recondução a seus cargos, dos quais estão atualmente afastados.

Conforme os autos, a ex-prefeita e o vice teriam realizado uma grande festa em data próxima ao pleito, patrocinada por empresa de propriedade da candidata, em que se distribuíram gratuitamente alimentação e bebida, com referência pública às suas virtudes e críticas ao adversário político, o que caracterizaria abuso do poder econômico.
Oferecimento de alimentação e bebidas seguido de apelo por votos consubstanciaria captação ilícita de sufrágio.

Na ação cautelar, os advogados alegavam fato novo tendo em vista a designação de eleições suplementares para o dia 5 de dezembro de 2010. Sustentavam que "a realização do pleito suplementar antes da apreciação dos recursos interpostos pela ex-prefeita fere a própria Constituição Federal, já que a legislação assegura o direito à ampla defesa e o princípio do contraditório, incluindo-se nestes, por óbvio, a reapreciação pelas instâncias superiores, bem como até mesmo um gasto desnecessário aos cofres públicos".

quinta-feira, novembro 18, 2010

Sem internet não haveria segundo turno, diz Caio Túlio

Papel da internet nas eleições foi subestimada pela mídia

Lia Segre /  Do Observatório do Direito à Comunicação

Especialistas em internet que estiveram à frente das campanhas presidenciais mais votadas acreditam que a internet foi essencial para o desenrolar das eleições. Sem ela não teria acontecido segundo turno, acredita Caio Túlio Costa, jornalista, consultor de novas mídias e coordenador de campanha de Marina Silva (PV). A internet possibilitou a criação de novo polo formador de opinião, Marcelo Branco, ativista pela liberdade do conhecimento – como se define - e coordenador da campanha de Dilma Roussef (PT) nas mídias sociais. “Pela primeira vez temos um terceiro bloco formador de opinião. Os blocos tradicionais sempre foram os partidos e candidatos, e do outro lado a imprensa. Eles formavam a impressão do leitor”, contou no 4º Seminário Internacional de Jornalismo Online (MediaOn), que aconteceu dias 9, 10 e 11 na capital paulista. Também participou da mesa a coordenadora da campanha online de José Serra (PSDB), ex-vereadora da cidade Soninha Francine.

Caio Túlio acredita que foi a internet que fez Marina Silva atingir 20 milhões de votos – algo que apontou como inédito no país em se tratando de um 3º colocado no pleito. Inicialmente com um desconhecimento de 60% por parte dos eleitores e com apenas 1 min e 23 s na TV contra 12 min de Dilma e 9 min de Serra, montaram estratégia eficiente na internet, com uso intenso de redes sociais dividida em 12 frentes como Blog, Twitter, sistema de arrecadação online entre outros. Esse trabalho levaou a condidatura a arrecadar 170 mil reais, doados por 2 mil pessoas, em 58 dos 242 dias que duraram sua campanha na internet. Caio segmentou os eleitores por rede social: “no Orkut a gente falava com os evangélicos, Facebook falávamos com classe média intelecutalizada, no twitter falamos com vanguarda da internet”.

Marcelo, coordenador de mídias sociais da campanha petista, acredita que a internet dá possibilidade aos eleitores se expressarem pelas redes sociais, “ possibilidade que milhões de pessoas tenham sua expressão e postem isso na internet”, e passaram a influenciar os candidatos. Soninha mencionou que a propaganda eleitoral tem apenas dez minutos, que um panfleto de debates televisivos não conseguem aprofundar temas tanto quanto a internet, onde se pode oferecer mais conteúdo. Para Marcelo, tratou-se de democratização da campanha, ainda que a base social de apoio ao governo do PT sejam os desconectados.

Ao contrário do candidato José Serra, que Marcelo acredita ter tido o apoio da mídia de massas em vozes como as de Reinaldo Azevedo e Ricardo Noblat, na campanha de Dilma as redes sociais pautaram a “mass media”, e não a mídia pautou as redes, como acontecia com o adversário.

Citou como os melhores momentos da campanha online o caso da publicidade da Globo que fazia apologia ao slogan do candidato tucano “O Brasil pode mais”, e quando Lula foi entrevistado no Jornal Nacional. Esses fatos que a princípio pareciam negativos para a campanha, ajudaram quando a emissora se desculpou por insinuar preferência. A capa da Época que “pretendia ser negativa acabou sendo positiva”, e virou material de campanha em camisetas e canecas. Marcelo também lembrou a repercussão no Twitter do “Dilma facts by folha” e o “bola de papel facts”, que ficou pouco mais de um dia no Twitter mundial.

Uma das principais características da campanha que o PT fez online contou com engajamento de militantes ou simpatizantes em blogs e redes sociais diversas. Para Soninha, que controlava o conteúdo do site da campanha tucana ao plantalto, a internet permite o engajamento voluntário, um aspecto da campanha que faz diferença pois “é cada vez é mais dificil as pessoas fazerem campanha de graça”. Na campanha de Serra, doação por internet não foi substancial. A coordenadora esperava pouco da internet, mas se empolgou ao longo da campanha com o feedback de militantes online inesperados, como donas de casa e idosos.

Campanha online

“Visitamos os estados, consultamos sete mil pessoas, conhecemos pessoas que seriam motores da campanha da Dilma na internet”, explica Marcelo, contratado em abril. Foi essa experiência que o permitiu conhecer a base social que daria sustentação para a campanha, que define como descentralizada e feita principalmente por voluntários, acrescenta.

Marcelo acredita que campanha na internet é diferente, e a construção do coletivo tem que se dar de forma colaborativa. “O que funciona na rede é imprevisivel ainda. Temos que aproveitar qualidade da contrução colaborativa. Não centramos a campanha no dilma.com.br, e blog”. Foram milhares de ativistas e blogueiros que se somaram à campanha oficial - “a melhor cobertura não foi feita por nós, foi feita pelos outros”. Considera a melhor atuação a feita na blogosfera, e a pior no Facebook.

A campanha de Serra, assim como a de Dilma, separava internet de outras mídias. “A nossa configuração de internet era diferente. A gente não tinha coordenador de mídias sociais, eu era responsável pelo site oficial”, afirmou a ex-vereadora que se integrou a campanha em julho. A data avançada impediu a equipe de ter um formato definido para tocar a rede desde o começo, afirmou.

“O que imaginamos de internauta tipico se mostrou uma minoria na campanha”, disse Soninha. Ela se surpreendeu por mensagens com sugestões, críticas à campanha, e elogios de pessoas inesperadas, como “agricultores do interior do Espírito Santo”, idosos, donas de casa. Para ela, o site e a rede acabaram por ser não só oferta de conteúdo, mas ponto de encontro para militantes dos perfis mais diversificados, cujo encontro físico jamais se daria.

Ameaça

O fórum mais democrático da internet, onde a construção de conteúdo é colaborativa e as pessoas podem se expressar com certa amplitude está ameaçado pela tramitação do Projeto de Lei (PL) 84/99, do senador Eduardo Azeredo (PSDB), lembrou Marcelo e Caio durante o debate do MediaOn. O PL se caracteriza por criminalizar ações da internet como download e compartilhamento de mp3, entre outros.

“Internet é sempre criminalizada”, afirmou Marcelo quanto à pergunta sobre baixaria nas eleições. “Não foi na internet, foi nas campanhas políticas”. O coordenador da campanha digital petista afirmou a baixaria se deu com acusações falsas, fraudes e declarações suspeitas, que apenas foram reproduzidas na internet e ganharam uma repercussão diferente.

Marcelo e Caio foram a favor de um pacto, no próprio ato do debate, de combate à lei de cibercrimes. “Não passarão”, disse um e repetiu o outro. Soninha não se manifestou.
 
16/11/2010

[nossos pais antes de nós]


Lúcia e Aguinaldo

Enviado por Patrícia

________________________________________

Envie foto dos seus pais antes de você:

colaboraurgente@gmail.com

Fato de qualquer miserável poder ter carro revolta comentarista

quarta-feira, novembro 17, 2010

Antônio Roberto e Joel Melo agraciados com o Alberto Lamego 2010

O Conselho Municipal de Cultural aprovou ontem, em reunião no Palácio da Cultura, os nomes de Antônio Roberto Fernandes (in memoriam) e Joel Melo para receberem o Prêmio Alberto Lamego 2010. A entrega será no dia 13 de dezembro, em solenidade no Palácio da Cultura.

[Reunião do Conselho Municipal de Cultura - Foto: César Ferreira / Sec. Cultura PMCG]

Monitor encerra edição impressa... no Canadá


Não, não é piada. Um ano após o fechamento do nosso Monitor Campista, me deparei com essa notícia, de 2009, no Jornalistas da Web:

O diário canadense, The Monitor, de 80 anos de idade, anunciou o encerramento de sua edição impressa. O jornal, foi fundado no ano de 1926 e sua última edição circulou no dia 5 de fevereiro de 2009. O jornal, que também é conhecido pelo nome de West End Chronicle, tinha uma circulação semanal de cerca de 35 mil exemplares, mas, segundo o JW, não dava lucro. Agora o jornal circulará apenas em sua versão online, cujos investidores botam mais fé. O governo detinha cerca de 60% das ações do veículo.

Dois Monitores fechados em um só ano. Além disso, fui descobrir essa notícia agora, um ano após o fechamento do Monitor de cá. Além disso, as circunstâncias foram bem parecidas. Coincidência ou destino dos Monitores? Vai saber...

A matéria completa do JW, está aqui.

terça-feira, novembro 16, 2010

Atenção coleguinhas da Fotografia

O Álvaro Britto divulga e eu repasso para os possíveis interessados:


WORKSHOP DE FOTOJORNALISMO

A Sociedade Fluminense de Fotografia (SFF) irá realizar um workshop sobre Fotojornalismo dando prosseguimento a uma série de cursos e seminários sobre a arte da Fotografia.

O workshop irá fazer uma abordagem teórico/prática do Fotojornalismo, seus dilemas e suas perspectivas para o nova década que se inicia.

Serão três sessões em um total de 13 horas/aula aos sábados.

Segmento teórico: O Fotojornalismo, seus dilemas, e suas mudanças do analógico ao digital, de 9h às 13h . Exposição teórica acompanhada de projeção de imagens.

Trabalho de campo: Como fotografar, qual o melhor enquadramento, qual a melhor objetiva. Sábado de 8,30h às 13,30h tendo como finalidade apurar o olhar, mormente em relação ao momento único, o click que vai registrar o instante fugidio que não mais se repetirá. O trabalho de campo irá servir para apurar a sensibilidade e a rapidez de raciocínio, visto que a fotografia é uma “coisa mental”, e não um mero registro, mecanicamente feito.

Avaliação: de 9h ás 13h os trabalhos produzidos pelos alunos serão avaliados e dúvidas serão esclarecidas.

Serão fornecidas apostilas, e indicada bibliografia especializada.

Coordenador Alcyr Cavalcanti fotojornalista, mestre em Antropologia , secretário-geral da ARFOC e professor universitário com experiência de ter trabalhado nos principais jornais do Rio e de São Paulo e agencias internacionais.

Preço R$ 350,00 em um mínimo de 07 (sete) alunos, dias 27/11, 04/12 e 11/12 de 2010 .Informações c/ Cintia (SFF) rua dr Celestino 115 Niterói , tel. 26201848.

segunda-feira, novembro 15, 2010

Jornalistas do Monitor lembram passagem de um ano sem o jornal


Vários jornalistas que integraram a última redação do Monitor Campista fizeram hoje uma homenagem ao jornal, em razão da passagem de um ano do seu fechamento. Textos e imagens, com lembranças da rotina de trabalho e reflexões sobre o fim da publicação foram reunidos no blog do Movimento Viva Monitor. Todos podem ser vistos aqui.

[Redação vazia, após o último fechamento - Foto: Silvana Rust]

Há um ano morria o Monitor Campista. E daí?

Há exatamente um ano, no 15 de Novembro de 2009, morria o Monitor Campista. A jornalista Patrícia Bueno, última editora do caderno Mais, pediu que alguns colegas escrevessem sobre o significado deste tempo e desta perda. Estendo esta sugestão aos demais blogueiros da Rede Blog.

A minha contribuição em forma de artigo-desabafo, que também está no blog do Movimento Viva Monitor (onde Patrícia reunirá os textos, imagens e demais contribuições sobre o tema), está também abaixo:

O que a morte do Monitor diz sobre nós


Quem já assistiu Dogville entenderá o que quero dizer. Há na história a insinuação de uma cumplicidade em torno de uma culpa que aprisiona os habitantes do vilarejo. Na ausência de grandes sucessos coletivos, o que os une são os fracassos. A liga que os mantém pertencentes ao lugar é um somatório de ressentimentos mútuos. Quanto mais desconfiam uns dos outros, mais se sabem parecidos e necessários para que entendam a si mesmos. E mais ferozmente rechaçam a visitante indesejada que os expõem aos seus fantasmas.

Penso em coisas assim quando lembro que não foi possível levantar parcos R$ 250 mil junto a pessoas físicas e jurídicas de Campos para comprar a marca Monitor Campista para mantê-la viva, pronta para completar 176 anos no dia 4 de janeiro de 2011, desta vez sob a guarda de uma instituição que fosse gestada pela sociedade, uma Fundação ou algo do gênero, como propôs o Movimento Viva Monitor. E, por não dispormos desta ninharia na cidade do orçamento bilionário, pela falta do equivalente a menos de 1/3 do que custou a mega tenda da Bienal (R$ 820 mil), apenas para ficarmos em um exemplo recente de opulência, o terceiro jornal mais antigo do País morreu.

Teve empresário líder de entidade classista que chorou na manifestação contra o fechamento do jornal e depois não foi capaz de mobilizar nem a si mesmo para fazer uma doação, muito menos os seus colegas. Teve comerciante tido como próspero que teve a cara-de-pau de doar tão pouco que, envergonhado, pediu para tirar seu nome da lista de doadores (onde, transparentemente, figurava como qualquer um). Teve colunista social que desdenhou da mobilização, justamente por ser uma mobilização, coisa de empregados do jornal, portanto algo natimorto. Teve blogueiro tido como entusiasta dos movimentos coletivos que desconfiou tanto, mas tanto, que não foi capaz de ultrapassar a inércia da sua desconfiança.

Certa vez conheci uma cidade no Rio Grande do Sul que tem como principal monumento, em sua mais charmosa praça, uma estátua em homenagem ao cooperativismo. Trata-se de Nova Petrópolis, que se orgulha de ter a mais antiga cooperativa de crédito do Brasil e tem até um roteiro sobre o tema para turistas.

Lembrei dela quando ouvi, na Bienal encerrada ontem, a pesquisadora Dilcéa de Araújo Smiderle, que lançou “O Multiforme Desafio do Setor Sucroalcooleiro de Campos dos Goytacazes”, afirmar que Campos não consegue aproveitar o boom do etanol no mundo, entre outras razões, por serem os campistas muito desconfiados uns dos outros. Seu argumento é o seguinte: como o agronegócio requer grandes investimentos e grandes áreas, e como as propriedades locais foram, ao longo de séculos, repartidas por muitos herdeiros, elas se tornaram pequenas e a única forma de torná-las “grandes” seria por meio do associativismo (para, por exemplo, viabilizar a irrigação), o que não ocorre. Nem mesmo para salvar a lavoura.

Um ano após a morte do Monitor, percebo que este até se mostra um assunto indesejado. Uma vergonha que queremos ocultar. Como os habitantes de Dogville, o que nos resta é compartilhar em silêncio mais esta culpa que nos amesquinha e nos torna tão unidos em nossa vilania. Algo que só os nossos olhares cada vez menos altivos revelam. Mas no íntimo sabemos: deixamos o Monitor morrer, para o gáudio dos seus assassinos diretos. Somos cúmplices em mais este caso de homicídio. E, portanto, somos cada vez mais campistas.

domingo, novembro 14, 2010

Vai começar a Balada Literária

sábado, novembro 13, 2010

Márcio Aquino lança hoje Chicletes & Prazer na Bienal

E por falar em literatura e em Aglomerado Terra Plana, hoje, 16h, tem lançamento de Márcio Aquino na Bienal, no Café Literário, junto a outros livros da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima.

Trata-se do lendário Chicletes & Prazer, que já fazia sucesso em alguns HDs.

“Afastem-se, emos da literatura e outros fru-frus das letrinhas ! Este livro é rock'n roll – de verdade. Se uma imagem de guitar hero exercendo sua saudável e digna função pudesse emular a personalidade de Chicletes & Prazer, seria a de Pete Townshend debulhando em My Generation, extasiando uma plateia contaminada por paixão juvenil”, apresenta Jorge Rocha.


“Em seu romance de estreia, Márcio de Aquino oferece uma carona irrecusável em sua imaginação e volta no tempo. Sem hesitações, sem exageros nostálgicos e, com sua estética de deitar e rolar, o autor pisa na grama e ao mesmo tempo enlaça com suavidade para dentro de sua narrativa, que mesmo com a menor mudança de tom, nunca perde o ritmo", reforça Kathia Gripp.




Durante o lançamento, 100 exemplares serão distribuídos gratuitamente. Depois, só nas melhores casas do ramo, que não são muitas em Campos.

[nossos pais antes de nós]


Atílio

Enviado por Flávia
________________________________________

Envie foto dos seus pais antes de você:


sexta-feira, novembro 12, 2010

Banda Cabrunco participa da coletânea Metal Front

Da whiplash.net

A banda de “Hardcore/Grindcore experimental com uns toquinhos de Funk e Soul” Cabrunco acaba de confirmar a participação na coletânea Metal Front! Se pela denominação do estilo da banda você já ficou curioso então veja a seguir mais informações sobre eles:

Em 2008 um bando de lamparão se uniram pra celebrar a gloriosa cidade de Campos dos Goytacazes. Como o povo não era lá muito bom de poesia nem de nada muito bonitinho, resolveram usar aquilo que sabiam fazer de melhor: Hardcore!

Mas não é Hardcore desse jeitinho que você imagina não. É hardcore com uma veia Death Metal fortona. Muita coisa de grindcore, umas passagens mais Doom, uns trecos bem experimentais e até um Funkzinho que ninguém é de ferro.

No final das contas é um negócio meio difícil de se rotular. Algo como se o Napalm Death fosse de Nova York e tivesse ido a muitos shows do James Brown. Mas relaxa, o som é facinho de gostar. Aquela barulhera do Cabrunco que parece um estouro na boiada.

Trilha sonora perfeita pra uma caçada de Marreca, comer um lombinho de porco lá no Xexelento’s Bar, ou apreciar um bom picolé de jaca no Pereira.

Mais sobre o Cabrunco aqui.

Campanha Jules escritor

O melhor escritor do Aglomerado Terra Plana anda dizendo por aí que desistiu dessa vida. Apagou todos os seus textos do computador. Se tiver sobrado uma coisa ou outra terá sido em algum papel esquecido numa gaveta.

Se você tem aí textos de Jules Rimet guardados no seu hd, ou em antigos e-mails, ajude a preservá-los. Além disso, insista com ele para que desista de desistir.

Mia Couto e Agualusa daqui a pouco na Bienal

Liliane Barreto / Da Secom PMCG

Os escritores africanos José Eduardo Agualusa (angolano) e Mia Couto (moçambicano) participam da 6ª Bienal do Livro de Campos nesta sexta-feira (12). Eles estarão no Café Literário, a partir das 18h, falando sobre Leituras da África Contemporânea, com mediação da professora de Português, Rita Maia.

A Bienal do Livro começou na sexta-feira (5) e termina neste próximo domingo (14). A edição deste ano faz um tributo à escritora Rachel de Queiroz e homenageia o poeta, ensaísta e crítico de arte, Ferreira Gullar, que abrilhanta a bienal neste sábado (13).

José Eduardo Agualusa Alves da Cunha nasceu no Huambo, Angola, e estudou Silvicultura e Agronomia em Lisboa, Portugal. Os seus livros estão traduzidos para mais de 20 idiomas. Também escreveu várias peças de teatro: "Geração W", "Chovem amores na Rua do Matador", juntamente com Mia Couto, e o monólogo "Aquela Mulher".

Agualusa escreve crônicas para a revista LER e para o jornal angolano A Capital. Realiza para a RDP África "A hora das Cigarras", um programa de música e textos africanos, e é membro da União dos Escritores Angolanos. Em 2006, lançou juntamente com Conceição Lopes e Fatima Otero, da editora brasileira Língua Geral, dedicada exclusivamente a autores de língua portuguesa.

Mia Couto - Antônio Emílio Leite Couto nasceu em Beira, Moçambique, em 1955. O nome “Mia” é proveniente de sua paixão pelos gatos e pelo fato de seu irmão menor, em tempos de infância, não conseguir proferir seu nome corretamente. Cursava Medicina, quando iniciou os primeiros trabalhos no Jornalismo. Abandonou a medicina, e passou a se dedicar inteiramente à escrita.

O escritor tornou-se diretor da Agência de Informação de Moçambique e logo passou a se dedicar à biologia. Tem suas obras traduzidas para o alemão, francês, espanhol , catalão, inglês e italiano.

Iniciou seus lançamentos literários através da poesia , publicando o livro “Raiz de Orvalho” em 1983. Já havia participado de uma antologia poética, em edição do Instituto Nacional do Livro e do Disco, com a participação do poeta moçambicano Orlando Mendes. Logo passou a se dedicar aos contos e às crônicas publicadas em semanários moçambicanos, veiculados na capital Maputo.

Mia Couto é filho de portugueses e era militante da Frente de Libertação de Moçambique, lutando pela independência de seu país entre 1964 a 1974. Ajudou a compor o hino nacional moçambicano, e trabalhou para o governo durante a guerra civil culminada no período de 1976 a 1992. Tornou-se no primeiro africano a vencer o prêmio União das Literaturas Românticas, recebido em Roma. A obra “Terra Sonâmbula” Foi eleita um dos 12 melhores livros de todo continente africano no século XX.

Adriano Moura e Gabriel O Pensador na Bienal









[Fotos: Wellington Cordeiro]

quinta-feira, novembro 11, 2010

[nossos pais antes de nós]


Antonio e Mariá

Enviado por Rose

________________________________________

Envie foto dos seus pais antes de você:


quarta-feira, novembro 10, 2010

UNE e UBES são contra anular Enem. Veja nota oficial das entidades

Leia abaixo a nota oficial divulgada pelas entidades:

Em relação ao ENEM 2010, a UNE e a UBES voltam a se manifestar publicamente:

1. A UNE e a UBES se posicionam contra a anulação do ENEM 2010. Milhões de estudantes realizaram a prova em condições adequadas, prepararam-se, e a anulação da prova seria cometer uma injustiça com esta grande maioria.

2.  A UNE e a UBES são intransigentes na defesa de que os estudantes prejudicados tenham o direito a realizar uma nova prova. Nenhum estudante pode ser prejudicado sob o risco de descredibilizar o ENEM.

3. A UNE e a UBES exigem que o MEC determine OBJETIVAMENTE os critérios para que os estudantes tenham direito a este novo exame. Se o MEC não tiver condição de determinar estes critérios, a UNE defende que o critério seja opcional, ou seja, todos aqueles que se disserem prejudicados devem ter o direito a esta nova prova. O estudante que optar por não fazer esta nova prova deve ter garantida a sua nota inicial.

4. A UNE e a UBES permanecem aguardando a retratação do MEC em relação ao post publicado no twitter da Assessoria de Comunicação Social do Ministério da Educação.

5. A UNE a UBES reivindicam a criação de um Instituto Federal que será o responsável pela aplicação das provas do ENEM.

6. A UNE a UBES reivindicam ainda a marcação de uma audiência com o ministro da Educação para que representantes das entidades estudantis e um grupo de estudantes prejudicados possam discutir os problemas ocorridos no ENEM.

7. Defender o Enem é, antes de tudo, corrigir os seus erros. A UNE e a UBES voltam a ressaltar que NÃO se somam àqueles que se utilizam de equívocos para derrotar o ENEM. Na opinião da UNE e da UBES, o ENEM deve se consolidar na direção da democratização da universidade brasileira como são os casos do ProUni e da seleção de dezenas de universidades federais pelo país, superando o velho modelo do vestibular, cruel método de acesso ao ensino superior no pais. O Enem é também elemento fundamental na construção do Sistema Nacional da Educação.

09 de Novembro de 2010

União Nacional dos Estudantes - UNE

União Brasileira dos Estudantes Secundaristas – UBES


[nossos pais antes de nós]



José Joaquim e Alcenir

Enviado por Rodrigo

________________________________________

Envie foto dos seus pais antes de você:


Franklin Martins: Regulação da comunicação é prioridade para o próximo governo



Da Rede Brasil Atual

O ministro da Secretaria de Comunicação Social, Franklin Martins, defendeu terça-feira (09.11) que a regulamentação das telecomunicações e da radiodifusão precisa ser uma prioridade do próximo governo. Na abertura do Seminário Internacional das Comunicações Eletrônicas e Convergência de Mídias, ele comparou o "atraso" na legislação para a área à situação relacionada à energia no país no início do governo Lula. Martins vê a falta de normas atuais a respeito como um entrave ao crescimento econômico.

O evento ocorre até esta quarta (10.11). O cerne das preocupações é o cenário de convergência de mídia entre a telefonia e a radiodifusão e a necessidade de atualizar a regulamentação do setor. As empresas de radiodifusão temem que seja aberto espaço para empresas de telecomunicações. Em franca expansão, as companhias de telefonia representariam um concorrente forte e com recursos para tirar mercado da mídia convencional.

As empresas de telecomunicações e de radiodifusão têm interesses divergentes. Movimentos sociais e ONGs que trabalham com a questão possuem pontos de vista ainda divergentes, críticos da concentração estabelecida nas concessões de rádio e televisão.

Segundo Martins, a questão energética no início de 2003 apresentava um cenário de abandono, com uma demanda represada que comprometia o avanço econômico nacional. Ele defende que o governo de Dilma Rousseff, a partir de janeiro de 2011, deve entender a carência de regulação das comunicações como um atraso que demanda prioridade para ajudar no desenvolvimento de uma sociedade do conhecimento.

Em sua fala, o ministro criticou o atraso na legislação, citando que a Constituição de 1988 determina a regulação das telecomunicações e da radiodifusão, o que nunca aconteceu. Ele avalia que a sociedade brasileira tem vocação para o diálogo e para o entendimento e que chegou o momento para se construir um ambiente favorável à definição de um marco regulatório com base na busca de consensos.

Seria importante, diz Martins, que houvesse esse entendimento porque a regulação vai ter de ser feita de qualquer maneira. "Se não houver pactuação, quem vai regular será o mercado. No mercado, quem vai ganhar é o mais forte", salientou Franklin Martins.

Para ele, sem mudar a lei, as empresas de radiodifusão seriam "atropeladas pelas teles". A declaração tenta aproximar os interesses de rádios e TVs em relação à proposta do governo. A maior parte da mídia tem se manifestado criticamente ao projeto de mudar as normas do setor.

"O governo federal tem consciência de que é preciso dar proteção especial à radiodifusão”, disse Franklin Martins. Na opinião do ministro, a mudança no setor pode não ser benéfica para as classes mais pobres que ainda não têm acesso total às mídias eletrônicas, providas pelas empresas de telefonia.

Franklin Martins, que é jornalista, reconheceu o mérito do atual sistema de rádio e TV que conseguiu levar o sinal aberto (gratuito) a quase toda população. “Ter um sinal que chega a todos é de grande relevância.”

Ele lembrou que, na organização da Conferência Nacional de Comunicação (I Confecom), as empresas de radiodifusão deixaram o processo. Agora, o ministro espera que elas estejam dispostas a discutir e que não se assustem com o que chamou de "fantasmas", relacionadas ao suposto interesse em controlar a mídia e cercear a liberdade de imprensa.

"Os fantasmas passam por aí arrastando suas correntes e impedindo de ouvir", disse Franklin Martins ao pedir aos empresários para deixarem “os fantasmas no sótão” e ficarem tranquilos. "Não há nenhum problema com a liberdade de imprensa", garantiu Martins, sugerindo que os expositores sejam perguntados se a regulamentação em seus países, reconhecidos como democráticos, afetou a liberdade de imprensa.

O seminário internacional conta com convidados palestrantes da Argentina, dos Estados Unidos e da União Europeia (Reino Unido, França, Espanha e Portugal).

[Ministro Franklin Martins - Foto: Antônio Cruz / ABr]

terça-feira, novembro 09, 2010

[nossos pais antes de nós]


Ronaldo

Enviado por Felipe

________________________________________

Envie foto dos seus pais antes de você:


Secom de Campos deveria aprender com a ABr

A Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Campos deveria aprender com a Agência Brasil a fazer isso aqui. É tão simples, mas parece impossível para alguns. Até hoje aguardo retificação, que provavelmente nunca virá, sobre informações supostamente erradas que deram sobre o valor das obras do Canal Campos-Macaé [lembre o caso aqui].

A propósito, esta não é a única lição que a Secom de Campos (e tantas e tantas outras) deveria aprender com a ABr. A noção de comunicação como serviço público de promoção da cidadania (e não do governante) é algo que passa longe das cabeças prefeituranas.

Ao vivo na internet Seminário sobre Mídia


O governo federal promove hoje e amanhã, em Brasília, o Seminário Internacional das Comunicações Eletrônicas e Convergência de Mídias para debater os impactos das mudanças tecnológicas, seus desafios e oportunidades na nova era da digitalização.

O encontro conta com a participação de 11 especialistas, dirigentes e representantes de entidades e órgãos reguladores de seis diferentes países. Eles debaterão as experiências, avanços e limitações de seus processos regulatórios de radiodifusão e telecomunicações.

O evento é transmitido ao vivo pelo site do seminário e pela TV NBR.


A aqui o programa completo do seminário.

users online